quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Black Chocolate Stout Cake

Muito se fala na utilização de cerveja como ingrediente em receitas, mas pouca gente põe literalmente a mão na massa para materializar estas experiências e compartilhar com os outros. Essa foi a proposta da chef Geany Menezes, que morou anos em Nova York, onde cerveja e gastronomia já passaram do estágio de um simples namoro para o de relação estável.

Depois de muita pesquisa, a chef Geany e o sommelier de cervejas José Raimundo Padilha criaram o Cervejas Especiais na Cozinha, um workshop voltado para mostrar como a cerveja pode ajudar de várias formas o preparo de pratos simples do dia a dia, não apenas através de novos aromas e sabores.

No caso do Black Chocolate Stout Cake, 2 cervejas na mesma receita transformam um simples bolo numa experiência incrível. Na massa de chocolate e no ganache da cobertura, ambos feitos com chocolate belga Callebaut 70%, a cerveja Brooklyn Black Chocolate Stout dá um show de sabor realçando o chocolate e o café usados na receita. No recheio, a adição da Coruja Strix transformou o buttercream de açúcar mascavo em um creme levíssimo e irresistível.

Segundo a chef Geany, “é explosão de sabores do começo ao fim. Definitivamente, não é um doce para crianças”. Para harmonizar, uma Anchor Porter.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Westmalle Dubbel com bolinho de feijoada

A gastronomia belga está mais próxima da brasileira do que nós ousamos imaginar. Obviamente não nos pratos e nas receitas, mas na intensidade de aromas e sabores, na generosidade das porções e nas combinações entre comida e cerveja. Uma harmonização que surpreende é a do bolinho de feijoada do Aconchego Carioca com a Westmalle Dubbel, cerveja trapista muito bem estruturada que casou à perfeição com o famoso petisco da Praça da Bandeira. A harmonização começa pelo corte da gordura das carnes e da fritura pelo álcool e o gás da cerveja. Continua na semelhança das notas tostadas presentes nas carnes e no feijão com o tostado caramelizado do estilo Dubbel. Prossegue pela semelhança dos aromas e sabores condimentados de ambos. E finaliza pelo contraste entre o sal das carnes com o dulçor complexo da cerveja, rico em notas que remetem a frutas secas.

domingo, 27 de janeiro de 2013

A Dama do Lago surpreende quase 5 anos depois!

A cerveja é uma bebida viva, que se transforma ao longo do tempo. As mais sensíveis, como as pilsners, ficam alteradas mais rapidamente e não aguentam muita guarda. Porém, as cervejas mais estruturadas, mais ricas em malte e em lúpulo, com o teor alcoólico mais elevado, são beneficiadas com o passar dos anos. É o caso da Dama do Lago, uma legítima Belgian Dark Strong Ale com 9% de álcool. Criada pelo cervejeiro caseiro Leonardo Botto e vencedora do 1º Concurso Mestre Cervejeiro Eisenbahn, ela foi produzida em 2008 e esta garrafa da foto, a penúltima guardada pelo seu criador, foi aberta semana passada, com quase 5 anos de idade. Estava excelente, lembrando um vinho do porto. Pelo visto (e devidamente degustado), não são apenas os fermentados de uva que melhoram com o tempo. Algumas cervejas também.

sábado, 26 de janeiro de 2013

Chope artesanal Mistura Clássica no Herr Pfeffer

Cada ida a um bar de cultura cervejeira guarda sempre uma grata surpresa. Quando se trata de um restaurante que pratica gastronomia de altíssima qualidade e tem proprietários apaixonados por cervejas especiais, a surpresa é ainda maior. O Herr Pfeffer, no Leblon, famoso pela culinária típica alemã, por exemplo, agora está com uma torneira convidada que serve cerveja artesanal direto do barril. Já passaram pela serpentina do Herr Pfeffer delícias como a Blues Etílicos Hellbier, na versão embarrilada. Se ela pasteurizada na garrafa já é uma das cervejas de maior drinkabilidade do Brasil, imagine na versão chope, não filtrada e não pasteurizada. Esta semana é a vez da Mistura Clássica como chope artesanal convidado com o seu American Pale Ale, um primor de sabor. Seca e refrescante, ele deixa um amargor residual que chama a próxima taça. Uma prova de que a Mistura Clássica, cervejaria fluminense de Volta Redonda, não parou de evoluir. Muito pelo contrário! Continua investindo em qualidade e aperfeiçoando a cada dia suas cervejas para a surpresa e o deleite até dos paladares que já a conhecem. Parabéns ao Severino, mestre cervejeiro e responsável por esta delícia.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Raridade: workshop de cerveja na panela!

Cerveja na panela ainda é um tema pouco explorado. Por isso, a escola Mise En Place vai reunir na próxima quarta, 30/01, a chef Geany Menezes e o sommelier de cervejas José Raimundo Padilha num workshop imperdível: "CERVEJAS ESPECIAIS NA COZINHA". Serão apresentadas técnicas de como utilizar a bebida no preparo de receitas e na harmonização de pratos, com demonstração das receitas e palestra sobre cervejas especiais. Será executado o seguinte menu:

1) Boas Vindas: Pão de Cerveja com Czechvar Lager e Coruja Strix Extra
2) Entrada: Ceviche de Camarão com Amazon Beer Taperebá
3) Prato Principal: Risoto de Funcho com Estrella Damm Inedit
4) Sobremesa: Chocolate Porter Cake com Anchor Porter

Mais informações e orientação para reservas:



Segue o texto da chef Geany Menezes sobre os pratos:

- Pão de Boas Vindas: Vamos enfatizar o uso da cerveja como agente auxiliador na fermentação e na durabilidade do pão.

- Ceviche: Receita típica do Chile, ideal para o verão, pede ingredientes fresquíssimos. Aqui usaremos camarões VG cortados em bite sizes e uma Indian Pale Ale para marinar.

- O prato principal será um Risoto de talo de erva-doce que não leva cerveja na receita mas, na finalização, vai um crocante de Presunto Parma que faz toda a diferença.

- Para fechar, teremos a Black Chocolate Stout Cake para mostrar como duas cervejas em uma mesma receita podem transformar um simples bolo em uma experiência incrível! Na massa e no ganache da cobertura, feitos com chocolate belga Callebaut 70%, a cerveja do Brooklyn dá um show de sabor realçando o chocolate e o café usados na receita. No recheio a adição da Estrella Damm transforma um simples buttercream de açúcar mascavo em um creme levíssimo e irresistível. É explosão de sabores do começo ao fim. Definitivamente não é um doce para crianças.

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Produzindo cerveja na panela na Bodebrown, em Curitiba

Foto: Bodebrown

Quando o assunto é cerveja, o Paraná está para o Brasil como o Colorado para os EUA. A cena cervejeira tem atitude, personalidade e ousadia. O único bar do país onde você pode fazer sua própria cerveja está em Curitiba, o Hop'n Roll. Os cervejeiros caseiros da DUM, que criaram a cerveja sensação de 2012, a Petroleum, são de lá. E a primeira cervejaria escola também, a Bodebrown. Este ano, a escola inicia os trabalhos com o primeiro curso em fevereiro, de produção de cerveja caseira. As aulas serão dadas pelo Samuel Cavalcanti, fundador da Bodebrown, e pelo André Junqueira, da Cervejaria Morada. Ambos premiadíssimos e cervejeiros de mão cheia, apaixonados pelo que fazem. Uma excelente oportunidade para quem mora na capital paranaense e quer aprender a fazer cerveja na panela. Ou mesmo para quem mora fora, porque o curso acontece num fim de semana em duas aulas - na sexta à noite e no sábado o dia inteiro.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Barbearia Navalha de Ouro: chope incluído no corte

Beber cerveja enquanto corta o cabelo, por que não? Pensando assim, um dos sócios da cervejaria artesanal Mistura Clássica, de volta Redonda, abriu uma barbearia onde o chope inicial está incluído no preço do corte. O ambiente é todo decorado como nos antigos salões de barbeiros, com lambris de madeira escura na parede e cadeiras como as de antigamente. O detalhe que diferencia é a chopeira de duas bicas no balcão, uma com o chope premium e a outra com o amber, ambos da Mistura Clássica. Graças a uma câmara fria nos fundos da barbearia, mesmo o amber, que gira menos, está sempre estalando de tão fresco. Esse achado extraordinário - é muito bom cortar cabelo em barbearia e ainda degustar uma bela cerveja artesanal! - fica no Parque das Rosas, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro. Vale a visita, quando o cabelo perder o corte.

domingo, 20 de janeiro de 2013

Bruschetta clássica com german pilsner




Combinar boa cerveja com boa comida não precisa - e não deve - ser uma tarefa difícil. Um bom exemplo é juntar uma bela bruschetta clássica com uma autêntica german pilsner. Ambos possuem uma intensidade de aromas leves e sabores suaves. O malte torrado (não tostado) da cerveja faz par com o pão italiano ligeiramente grelhado. A pilsner tem aroma de miolo de pão e biscoito, que logo casa com a bruschetta. O tomate fresco refresca nosso paladar, assim como a pilsner, além de trazer uma acidez e um dulçor que caminham de mãos dadas com o mesmo perfil da cerveja. Por fim, o manjericão encontra semelhança no aroma sutilmente floral e herbal que vem do lúpulo. O azeite, que dá o toque derradeiro ao prato, é cortado na boca pelo álcool e o gás generoso da pilsner. Faça o teste e surpreenda-se!



sábado, 19 de janeiro de 2013

Boas comidas harmonizam com boas cervejas

Harmonização é grande parceira das cervejas especiais. Cada vez mais bares e restaurantes estão abrindo as portas e as cozinhas para pratos e combinações com cerveja. O Delirium Café é um exemplo clássico no Rio de Janeiro. Além de ser a melhor carta de cervejas da Cidade Maravilhosa, é também um lugar onde se come divinamente. O cheeseburguer da foto, escoltado por batatas finíssimas, sequíssimas e crocantíssimas, fritas com alho e temperadas com alecrim, repousa em pão de malte feito com o bagaço que sobra da fabricação da cerveja. Esse é apenas mais um exemplo de como cerveja artesanal e gastronomia levada a sério harmonizam à mesa e fazem a festa no céu da boca. O cardápio tem várias outras opções para quem quer comer bem enquanto degusta uma cerveja de qualidade. Inclusive, quitutes feitos no Aconchego Carioca, outra Meca da boa cerveja e da boa comida.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Demoiselle com mousse de chocolate e café




Fruto da parceria da Cervejaria Colorado, de Marcelo Carneiro, com o cervejeiro caseiro Ricardo Rosa, a Demoiselle é uma cerveja única. Primeiro, por ser de um estilo pouco comum no Brasil, o Porter. Segundo, por receber adição de café da região paulista de Alta Mogiana. Terceiro, por se tratar de uma cerveja de extrema qualidade - não foi à toa que escolheram a Demoiselle para ser uma das poucas brasileiras que figuram no livro "1001 cervejas para beber antes de morrer". Essa combinação de ingredientes nobres favorece harmonizações inusitadas como a da foto, com o mousse de chocolate e café da chef Ana Salles. O casamento de sabores se faz pelos 3 pilares básicos da harmonização: corte da gordura do chocolate, semelhança com o chocolate e com o café e contraste do amargor com o doce. Experimente!



quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

De doce já basta a vida


O Rio Grande do Sul tem excelentes cervejas, cervejarias e cervejeiros, sejam comerciais, artesanais ou caseiros. A criatividade, o capricho e a dedicação na elaboração de melhores processos e novas receitas vêm da herança germânica. Um ótimo exemplo é a Seasons, de Porto Alegre, do casal Carol Bender e Leonardo Sewald. Fiéis ao slogan que criaram para resumir a filosofia da cervejaria - "start a revolution, drink better beer!" - eles fazem cervejas com atitude, que inovam no sabor e na personalidade, fortalecendo o conceito de boa cerveja artesanal. A primeira que rompeu as fronteiras gaúchas e conquistou os paladares por todo o Brasil foi a Green Cow, a releitura deles do que é (ou deveria ser) uma American IPA. Generosa no lúpulo e no amargor, com grande drinkability e muita irreverência. O slogan da Green Cow é "de doce já basta a vida."